Frescura… Será?

bebê
Aprendi depois que meu filho nasceu que mãozinha de bebê deveria ser um território proibido, ou seja, não é para pegar, cheirar e muito menos beijar.
Para quem não sabe ou ainda não se deu conta os pequeninos vivem com as mãos na boca a todo o momento.
E gente… É incrível, mas todo mundo que chega perto do seu bebê a primeira coisa que faz é pegar na mãozinha!
Nunca fui uma mãe neurótica, tipo aquelas que ao você entrar na casa já lhe presenteia com um KIT “SE LIGA”, toalhinha da cor do sexo da criança e um vidrinho de álcool decorado para você desinfetar as suas lindas mãos. (Risos)
É claro que contar com o bom senso das pessoas seria muito mais fácil, mas infelizmente nem todo mundo tem!
Quando ele tinha sete ou oito meses me recordo que marquei uma consulta ao pediatra, consulta de rotina, mas o mais interessante é que nestas consultas seu bebê chega super bem e sai de lá doente.
Cheguei ao consultório médico e lá fiquei esperando com mais umas cinco mães. Eu sinceramente não entendo o porquê de marcar horário se o infeliz do médico jamais ira te atender na hora marcada.
Depois de quarenta e cinco minutos esperando e já de “saco” cheio a criança começa a ficar inquieta e você já chacoalhou, mostrou os quadros, o lustre a pombinha na janela e nada de ser atendida.
Então decido amamentar, nunca gostei de amamentar em publico, mas era o jeito!
Sentou uma mãe do meu lado, daquelas carentes que adoram puxar conversa… E claro que ela ainda estava de bom humor, afinal ela havia acabado de chegar e eu já estava esperando a um tempão.
– Seu filho? Ela perguntou.
– Sim. Eu respondi com um sorriso bege no rosto, mas louca para responder “Não é meu filho não! É que eu adoro vir aqui para dar de mamar ao filho dos outros.
Ela não contente continuou:
Você tem muito leite?
AHHHHHHH… Que vontade de dizer: – Sim tenho tanto que vendo o litro a R$10,00, quer comprar?
Mais uma vez resgatei do fundo um restinho de paciência, respirei fundo e respondi:
– Sim tenho bastante!
E ela então ataca novamente:
– Consulta de rotina ou ele está doente?
– Sim de rotina! Respondo e já pergunto para não parecer à pessoa mais chata do mundo.
-E a sua o que tem? Juro que quando ouvi a resposta eu tive vontade de enfiar meu filho em uma bolha!
Ela arregalou os olhos e disse: – Então menina… Acho que ela está com CATAPORA!
Nããããããããããããããããããããããããããããããão…
A boa noticia é que ele teve catapora sim, mas só aos três anos de idade!

Lidiane Recco 😉

Sobre Estalos da Vida

...Se você prestar atenção irá perceber que na balança da vida o pratinho que mais tem peso é aquele que a gente coloca as realidades positivas, que podem ser um e-mail, um telefonema, uma mensagem, a voz do vento ou até mesmo o barulho da chuva, um abraço apertado, aquele beijo de saudade, uma bela gargalhada ou aquela mão pegando a nossa com todo carinho... ;)
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s